Viagem Ushuaia (Argentina) – Parte I – A ida

Boa noite pessoal,

O primeiro post sobre a viagem até Ushuaia falará especificamente de todo o trajeto de ida até lá. Os preparativos para a viagem começaram pela escolha da companhia aérea. A primeira opção seria a companhia aérea LAN, porém quando foram pesquisar já não havia mais disponibilidade para as datas necessárias. Ficaram então com a segunda opção, a Aerolíneas Argentina, que tem um voo SP Guarulhos – Ushuaia com uma parada em Buenos Aires (com troca de aeroporto). Com todas as taxas inclusas, ida e volta saiu por R$1.620,00 por pessoa (julho de 2013). Uma dica importante é observar bem o total de horas da viagem, pois há uma opção pela LAN que vai escala em Assunção, no Paraguai, e dura quase 30h todo o trajeto.

Já no início da viagem o primeiro contratempo: como haviam comprado o trecho Guarulhos – Ushuaia, teriam que primeiramente chegar até o aeroporto de São Paulo. Para isso, pagaram R$119,00 (já com taxas) para ir de TAM, de Joinville até Sâo Paulo. Como muitos já sabem, o aeroporto de Joinville é famoso por viver mais fechado do que aberto, e não foi diferente no dia do embarque.  Com embarque programado para as 19h e por conta do tempo ruim, tiveram que pegar um ônibus até Navegantes, onde embarcaram somente às 21h.

Como na época não haviam voos Joinville – Guarulhos, o pouso foi em Congonhas (a partir de setembro de 2013 Joinville terá a opção para ir para Guarulhos). De Congonhas a Guarulhos, é possível pegar um ônibus “executivo” oferecido pela própria TAM, que sai de hora em hora em horários com mais movimento. O embarque é gratuito, basta apresentar a passagem aérea da TAM, e o trajeto entre os aeroportos leva cerca de uma hora. O horário de funcionamento não é 24h, os horários podem ser conferidos aqui.

Ao chegarem em Guarulhos, foram logo fazer o check-in para o voo internacional. Para este voo em questão, o limite era de duas bagagens, com no máximo 23kg (total). Para mala de mão, o limite era de 5kg, porém as de mão não foram nem pesadas e nem etiquetadas (como geralmente acontece em voos da Gol e da Tam). Há também uma revista onde são retirados objetos proibidos para serem carregados:

foto1

Assim que despacharam as malas, eles foram informados que teriam que ter reservado uma vaga no ônibus que faz o traslado entre o Aeroporto Internacional de Buenos Aires para o Aeroporto Nacional (de onde sairia o voo para Ushuaia). A atendente da Aerolines Argentina ainda tentou ver se haviam vagas no ônibus, porém infelizmente não havia mais, e deu a ideia de pegarem um táxi (que segundo ela custaria meros 70 pesos argentinos, cerca de R$30), e caso ligassem posteriormente para a companhia aérea conseguiriam o reembolso.

Talvez incomodada com o fato de não ter conseguido vagas no ônibus do traslado, a atendente liberou acesso à eles à sala Vip da Delta do aeroporto, com café, comidas, cervejas e tudo que é direito liberado. Como o voo sairia apenas às 02h da manhã e ainda eram 23h, foi uma excelente pedida, aproveitando para tomar uma cervejinha:

foto2

Já sabendo que os voos da Aerolineas não eram nada pontuais quanto a horário, não foi surpresa o atraso de pouco mais de uma hora que teve entre o horário programado e o horário real da saída. Só para ter uma noção desta “fama” da companhia argentina, o próprio pessoal do hotel falou que não iria buscá-los no aeroporto, pois certamente o avião não chegaria no horário.

O voo saiu de Guarulhos às 03h10 e era muito bom: por sorte eles pegaram a primeira classe e tiveram um atendimento de primeira, além de espaço para esticar bem as pernas durante o voo que levou cerca de 04h. Chegando no aeroporto internacional de Buenos Aires, o trajeto entre o avião e o terminal de passageiros foi feito por ônibus, pois não haviam fingers disponíveis. Numa prévia de Ushuaia, já pegaram temperaturas muito baixas neste mini trajeto.

foto5

Uma outra dica importante é em relação ás bagagens: no caso desta viagem foi necessário retirar as bagagens no aeroporto internacional para despachá-las novamente no outro aeroporto, ou seja, elas não foram “sozinhas” para o destino final. No local de retirada das bagagens eles passaram pelo controle de verificação de produtos não industrializados que não podem entrar no país. O processo é bem tranquilo, e após este passo eles se dirigiram para a imigração para pegar o visto de permanência (categoria turista), válido por 30 dias. É um papel bem simples (com sua foto e digital) e que deve ser devolvido na saída do país. Dependendo do bom humor do atendente, às vezes ele questiona em qual hotel você vai ficar hospedado, mas não foi o caso aqui.

O raio X do aeroporto de Buenos Aires “sempre acusa”, mas diferentemente do que ocorre em São Paulo, não há necessidade do passageiro ficar quase pelado para que ele não apite mais. Os argentinos fazem uma revista bem menos criteriosa e já te liberam. Assim que todos passaram pela imigração, eles foram atrás do táxi para o trajeto entre os aeroportos da capital argentina. E ao contrário do que a mulher lá em Guarulhos havia falado, o custo seria de 270 pesos argentinos (ou cerca de R$115, quase quatro vezes a mais do que o “prometido”).

Na Argentina há dois tipos de táxis: o normal, com taxímetro, ou o remis, que é uma espécie de táxi onde há um valor previamente acordado através de uma tabela de preços que define o custo da viagem entre um local origem e o destino da viagem. Neste caso a opção foi pelo segundo, onde pagaram os 270 pesos argentinos.  Mesmo que tivessem conseguido as vagas no ônibus da Aerolíneas Argentina, que faz o trajeto entre os aeroportos de Buenos Aires, talvez eles não chegassem a tempo de embarcar no voo Buenos Aires – Ushuaia, e então teriam que esperar pelo próximo voo da companhia, ou seja, a opção pelo táxi seria escolhida.

O trajeto entre os aeroportos é rápido e leva cerca de 40 minutos, pois é feito todo por uma via expressa. A chegada no aeroporto nacional, que fica bem perto do ferryboat que vai até o Uruguai (Colonia e Montevideo). foi próximo das 07h, e o voo para Ushuaia era às 08h05. Perto desta região de Buenos Aires, há diversas baladas, e pela janela do táxi foi possível ver o pessoal saindo dos estabelecimentos com o dia amanhecendo.

foto6

O voo para Ushuaia saiu com um pequeno atraso:  a aeronave era um pouco menor e não era tão boa quanto à outra. O voo, que levou cerca de 03h30m, foi bem tranquilo, e com o cansaço da viagem, o pessoal foi dormindo mesmo. Saindo de Buenos Aires, uma foto lá do alto:

foto4

Uma coisa que é engraçada na Argentina é que quando o avião pousa, todo mundo aplaude, eles ficaram se olhando com aquela cara de “não fez mais que a obrigação”. Assim que desceram em Ushuaia, só retiraram as malas e então acharam  um táxi par air até o hotel. O aeroporto é bem pequeno e não recebe muitos voos, porém é bem organizado e limpo, o que iriam descobrir na volta esperando lá umas 3 horas. Para fechar este post, fiquem com duas fotos da chegada à Ushuaia:

foto7

foto8

Por hoje é só pessoal, no final de semana que vem o post falará mais sobre o centro de esqui de Ushuaia! Até lá!

One thought on “Viagem Ushuaia (Argentina) – Parte I – A ida

  1. Pingback: Viagem Ushuaia (Argentina) – Parte I – A ida | ALFA Dicas de Viagens

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>