Roteiro e dicas gerais para 4 dias em Foz do Iguaçu (PR)

Olá pessoal, Em março deste ano estivemos na cidade paranaense de Foz do Iguaçu, cidade famosa pelas Cataratas e por fazer fronteira com a cidade paraguaia de Ciudad del Leste, o “paraíso das compras”. Chegamos na cidade em torno de meio dia de uma quinta-feira e fomos embora na segunda pela manhã, ou seja, tivemos praticamente quatro dias completos por lá, e dividimos estes dias da seguinte forma:

  • Dia 1: visita às Cataratas e Parque das Aves
  • Dia 2: compras no Paraguai
  • Dia 3: Usina de Itaipu, Templo Budista, Passeios Dreamland e Marcos das Três Fronteiras
  • Dia 4: volta na Argentina, na cidade de Puerto Iguazu

DIA 1: VISITA ÀS CATARATAS E PARQUE DAS AVES

Como nosso voo chegou antes de meio-dia, deixamos as malas no Hotel Nacional Inn, fomos ao Shopping Catuaí Palladium almoçar e então rumamos às Cataratas do Iguaçu. Antes de chegar à entrada, algumas pessoas credenciadas te orientam para ir a um terreno baldio e te dão algumas dicas sobre o local, porém como não existe almoço grátis, eles tentam fazer com que você vá para um estacionamento que não é o oficial, tentam te vender a todo custo capas de chuva e garrafinhas de água mineral e até te indicam um lugar para almoçar ali perto.

A entrada “padrão” para às Cataratas custa R$36,00 no preço normal (para crianças de 2 a 11 anos e idosos a entrada sai por apenas R$10,00), e você pode comprar pela Internet, escolhendo a data em que deseja visitar a atração. Há outros ingressos que adicionam alguns passeios, como o famoso Macuco Safari. Maiores informações você pode encontrar no site oficial. O estacionamento oficial custa R$21,00, sem restrição de tempo.

DSC00293 DSC00295 DSC00296 DSC00297 DSC00298

Na estação inicial, onde fica o centro de visitantes, você embarca num ônibus e percorre um trajeto de cerca de 10 a 15 minutos em volta de muito verde, como vocês poderão notar nas fotos abaixo:

DSC00302 DSC00303 DSC00304 DSC00306 DSC00312 DSC00319

No trajeto entre o Centro de Visitantes e a parada inicial para às visitas às Cataratas, há mais algumas paradas, uma delas para quem adquiriu o ingresso do Macuco Safari.

A trilha que é feita para visualização das Cataratas é muito bem cuidada, porém para nós que estávamos com carrinho de bebê, tem alguns detalhes importantes, como pontos em que não é possível subir sem tirar o carrinho do chão. Com relação às Cataratas, não há muito o que comentar. Vamos apenas vislumbrar essa magnífica obra prima da natureza nas fotos que tiramos por lá. Ah, apenas um breve comentário: caso você vá na passarela que te leva para “dentro” das Cataratas, se prepare pois você irá se molhar. Para estes casos específicos, recomenda-se o uso de capa de chuva.

DSC00323 DSC00324 DSC00325 DSC00327 DSC00334 DSC00343 DSC00346 DSC00365 DSC00368 DSC00369 DSC00373 DSC00384 DSC00391 DSC00397 DSC00398 DSC00401 DSC00403 DSC00406 DSC00409 DSC00410 DSC00415 DSC00416 DSC00418 DSC00419 DSC00420 DSC00421 DSC00424 DSC00428 DSC00429 DSC00430 DSC00431 DSC00432

Na trilha, para alegria da criançada, encontram-se inúmeros quatis, e no nosso trajeto encontramos até um pequeno lagarto. Com relação aos quatis, tome muito cuidado com pertences e sobretudo com comidas, pois eles são um pouco famintos. Na nossa frente um turista teve “furtado” um pacote de salgadinho.

DSC00328 DSC00345 DSC00356 DSC00360 DSC00386

Um pouco mais para o fim da tarde nosso passeio foi no Parque das Aves. O ingresso tem o preço um pouco salgado para o que oferece (R$45,00 o normal e R$22,00 a meia entrada, disponível para estudantes de 9 a 16 anos e idosos).e também pode ser adquirido pela Internet, no site oficial.

Como fomos quase no horário de fechamento do parque (que funciona das 08h30 às 17h), nosso passeio foi praticamente privado, pois além de nós somente havia mais um casal no momento da visita. Na parte inicial do passeio quem se destacam são as dezenas de flamingos que estão numa área um pouco mais aberta:

DSC00437 DSC00440 DSC00441 DSC00446 DSC00450 DSC00452 DSC00454 DSC00458

A primeira área onde há uma interação maior entre o visitante e os pássaros é na área dos tucanos. Nessas partes onde há as interações há dois portões na entrada e na saída, para evitar fugas indesejadas dos moradores do Parque.

DSC00463 DSC00473 DSC00474 DSC00475 DSC00478 DSC00484 DSC00489 DSC00492

Há também jabutis por lá. O funcionário que estava por lá nos contou que antigamente era possível tirar fotos com uma cobra e arara, porém após um pequeno acidente com a cobra (segundo o funcionário a culpa foi o turista ter se assustado), não há mais esse tipo de interação.

DSC00501 DSC00507 DSC00514

A segunda área de interação é com dezenas de araras, das mais variadas cores e tamanhos. É certamente o ponto alto do passeio, principalmente para os pequenos, pois as araras voam de um lado para outro sem parar (cuidem com eventuais evacuadas das aves).

DSC00521 DSC00522 DSC00523 DSC00527 DSC00530 DSC00532

O passeio leva em torno de 1 hora, mas pode ser facilmente feito em menos tempo. Como estávamos com o Bernardo, as paradas aconteceram com muito mais frequência. Por fim, fiquem com mais algumas fotos de lá:

DSC00533 DSC00536 DSC00543

DIA 2: COMPRAS NO PARAGUAI

Como vocês podem notar, não levamos a câmera fotográfica para o Paraguai, e para este dia falaremos um pouco mais de algumas dicas a serem seguidas:

  • Existem diversos estacionamentos próximos a Ponte da Amizade (que liga os dois países) e que cobram um preço único para o dia todo. Para quem está de carro é uma mão na roda. Pagamos R$30,00 no nosso. Para quem for ultrapassar a cota, eles inclusive oferecem serviços que te levam os produtos até o estacionamento, sem risco de parar na Receita Federal.
  • Vá para Ciudad del Leste já com um roteiro pré-definido. Nós anotamos os nomes de algumas lojas, mas não olhamos detalhadamente os endereços e acabamos perdendo bastante tempo “zanzando” por lá.
  • Não é necessário trocar R$ por dólar antes de atravessar a ponte. 100% das lojas aceitam pagamento em R$, e geralmente com uma cotação muito próximo ou até melhor do que nas casas de câmbio.
  • Fique atento ao horário de funcionamento das lojas, pois a grande maioria abre cedo (às 07h) e também fecham cedo (às 16h).
  • Se puder optar por ir para lá em dia de semana, faça isso. Em finais de semana e feriados o movimento aumenta consideravelmente.
  • Não faltam locais para lanchar/almoçar por lá, e o preço da comida é bem parecido com o do Brasil.
  • Leve bastante água. Assim como em Foz, o calor é infernal por lá.

DIA 3: USINA DE ITAIPU, TEMPLO BUDISTA E DEMAIS PASSEIOS

Nosso terceiro dia em Foz foi também o mais movimentado. Iniciamos o dia na Usina de Itaipu. O ingresso também pode ser adquirido de forma online, no site oficial de lá. Existem algumas opções de passeio, optamos pelo mais tradicional: a Visita Panorâmica, que custa R$36,00 para adultos e tem meia entrada para estas categorias abaixo:

  • Crianças de 6 a 11 anos
  • Brasileiros acima de 60 anos
  • Estudantes de instituições brasileiras
  • Professores em exercício no Brasil
  • Jovens do CadÚnico
  • Doadores regulares de sangue Pessoas com Deficiência

O estacionamento, sem limite de tempo, custa R$20 por automóvel. Todo o trajeto do passeio é feito num ônibus panorâmico, com três paradas pelo caminho. A primeira parada é no Mirante Central, que dá uma bela visão do complexo:

DSC00551 DSC00554 DSC00556 DSC00564 DSC00571

Após a primeira parada, você irá passar por baixo da Usina e a próxima parada é no Mirante do Vertedouro, onde há um grande volume de água correndo:

DSC00578 DSC00580 DSC00581 DSC00596 DSC00598

De lá, você novamente embarca no ônibus e passará por cima do complexo. Cuide bem de bonés e chapéus nesse trecho, pois o vento é fortíssimo e eles não param o ônibus em caso de objetos voarem das cabeças dos turistas. A parada final é no restaurante Porto Kattamaran, não nos recordamos exatamente do preço, mas era algo em torno de R$45,00 por pessoa o buffet livre.

DSC00605 DSC00606 DSC00607 DSC00612 DSC00620

Acabamos optando por almoçar no restaurante da área inicial, onde pagamos cerca de R$20,00 em pratos que acompanhavam carne, arroz/batata e salada.

Da Usina partimos para o Templo Budista da cidade, localizado a menos de cinco quilômetros de lá. O local é repleto de estátuas simbolizando os mais diferentes deuses do budismo, e há também um grande templo e uma pequena loja onde você encontra alguns souvenires. A paz do local é algo imensurável.

Não se paga nada para entrar lá, mas logo na entrada há um fotógrafo oficial que te vende na saída um pequeno cartão postal do local com a foto que ele tirou por R$15,00.

DSC00626 DSC00629 DSC00633 DSC00642 DSC00643 DSC00644 DSC00648 DSC00649 DSC00651 DSC00656 DSC00663 DSC00664 DSC00665 DSC00667 DSC00668 DSC00673 DSC00676 DSC00677 DSC00679 DSC00681 DSC00682 DSC00685 DSC00687

Nosso tarde foi no complexo Dreamland, localizado na frente do nosso hotel, na Avenida das Cataratas. O complexo é formado por quatro atrações: Museu de Cera, Vale dos Dinossauros, Maravilhas do Mundo e Bar de Gelo. O mais comum (que foi o nosso caso) é adquirir o passaporte que dá direito aos três primeiros (valor: R$80,00), pois o ingresso ao Bar de Gelo é adquirido individualmente.

Iniciamos o passeio pelo Vale dos Dinossauros, e na nossa opinião é bem fraquinho. Em menos de quinze minutos você faz o trajeto e não há nada muito extraordinário na atração, apenas alguns dinossauros “largados” no meio de árvores, sendo que alguns mexem a boca e as patas, por exemplo. Em alguns pontos há ainda alguns fotógrafos oficiais que te incomodamchamam para tirar fotos, extremamente desagradável.

No final você cai na loja oficial, onde há inúmeros produtos disponíveis com preços superfaturados, logicamente. Ah, e também você poderá ver as fotos oficiais que foram feitas durante o passeio.

DSC00691 DSC00692 DSC00693 DSC00694 DSC00697 DSC00705 DSC00710 DSC00718 DSC00720 DSC00724 DSC00727 DSC00737 DSC00739 DSC00743 DSC00744

O ponto alto do complexo, em nossa opinião, é o Museu de Cera, sobretudo para quem nunca foi em um. Apesar de alguns bonecos terem sido construídos com certos defeitos, a grande maioria retrata com muita semelhança os cantores, atores, e demais personagens por lá dispostos.

DSC00748

DSC00750 DSC00751 DSC00753 DSC00755 DSC00761 DSC00763 DSC00768 DSC00775 DSC00783 DSC00785 DSC00787

Já as Maravilhas do Mundo também é bem dispensável, pois trás monumentos do mundo todo em formato de miniatura, nada muito interessante. O ponto alto (para os pequenos) da atração foi uma projeção que há no chão com peixes no fundo do mar e onde o Bernardo se divertiu durante longos minutos.

DSC00789

DSC00791 DSC00792 DSC00793 DSC00799 DSC00800 DSC00806

Finalizamos nosso dia levando em conta recomendações lidas em vários blogs da Internet e pegamos o pôr do sol da cidade no Marco das Três Fronteiras, onde tem a famosa placa indicando que ali temos três países numa espécie de “esquina”. O local conta com amplo estacionamento gratuito, mas paga-se R$23,60 no ingresso para ingressar no complexo.

Além da visão privilegiada do pôr do sol com o Rio Paraná ao fundo, o local conta com o renomado restaurante Cabeza de Vaca e outros diversos estabelecimentos que servem refeições mais rápidas, como hambúrgueres, sorvetes e água de coco, por exemplo. Há também uma pequena fonte de água que faz alguns movimentos com luzes, mas não espere nada extraordinário. Há também um grande parque infantil.

DSC00813 DSC00816 DSC00817 DSC00819 DSC00824 DSC00829 DSC00832 DSC00840 DSC00848

A entrada do local foi batizada de Vila Cenográfica das Missões Jesuíticas, e conta com uma arquitetura baseada nas histórias construções das Missões.

DSC00852 DSC00855 DSC00856 DSC00858 DSC00859 DSC00869

DIA 4: VOLTA NA ARGENTINA E MESQUITA MUÇULMANA

No nosso último dia, a missão era visitar a Argentina, na cidade vizinha de Puerto Iguazu. Caso esteja com carro particular ou alugado, lembre-se de adquirir a Carta Verde, uma especie de seguro internacional e que custa R$48 para um dia, podendo ser adquirida um pouco antes da fronteira.

A primeira parada foi no famoso Duty Free de lá, que conta com amplo estacionamento gratuito e diversas lojas de renome internacional. Os preços são bons, mas não batem os encontrados em Ciudad del Leste. Ficamos cerca de uma hora e meia por lá.

Depois disso passamos pela fronteira, onde dependendo do humor dos oficiais argentinos, podem pedir para revistar o porta malas de seu veículo. Estávamos com sorte e pegamos um homem, que apesar de não ser nada simpático, não pediu para revistar o carro. A fila na fronteira demorou uns vinte minutos, mas lemos relatos onde ela pode facilmente ultrapassar uma hora.

Como era domingo, praticamente tudo na cidade estava fechado, inclusive lojas e restaurantes. Demos uma pequena volta pela “orla” que contorna o rio e paramos numa espécie de Marco das Três Fronteiras do lado argentino, porém depois de visitar o lado brasileiro, você acaba se decepcionando um pouco com o lado deles: apenas algumas lojas abertas com um pouco de lembranças e souvenirs e era isso. Não havia lugares para comer (porém não se paga nada para entrar no lado argentino).

DSC00873 DSC00876 DSC00877 DSC00879 DSC00881 DSC00882DSC00884

Outros atrativos interessantes do lado argentino são os seguintes:

  • Cataratas: sim, também existem as Cataratas do lado argentino. Dizem que um lado completa o outro, e outros ainda dizem que o lado argentino é “melhor”. Um detalhe importante é que o ingresso é bem mais caro (cerca de R$70 na cotação atual) e só pode ser pago em pesos argentinos.
  • Cassino: por ser proibido no Brasil, atrai muitos brasileiros
  • Feirinha: não abre no domingo, mas pelos últimos relatos dos brasileiros no Trip Advisor, não parece ser mais uma atração um tanto quanto imperdível.
  • Trilhas em meio a natureza

Finalizamos nossos passeios com apenas algumas fotos da Mesquita Muçulmana de Foz do Iguaçu. Como era domingo ela também não estava aberta para visitação interna, portanto fiquem apenas com as fotos externas do local:

DSC00885

DSC00886 DSC00887 DSC00888

DICAS GERAIS

  • Procure pelos quiosques do Ticket Loko em Foz do Iguaçu. É possível conseguir belos descontos nas principais atrações da cidade. Pagamos por exemplo no ingresso do Marcos das Três Fronteiras o valor de R$15,68, um desconto de 33% em cima do valor integral.
  • Não há um local indicado para você se hospedar e ficar perto dos principais pontos turísticos, pois eles são bastante distantes um do outro. Da Usina de Itaipu até às Cataratas, por exemplo, são 25 quilômetros de distância. Portanto qualquer lugar que você escolher, vai precisar de transporte, seja público ou privado.
  • Há um ingresso promocional chamado de Passaporte 3 Maravilhas, que inclui a entrada às Cataratas, Visita Panorâmica de Itaipu e ao Marco das Três Fronteiras. O valor do passaporte custa R$89,00 e ainda te dá desconto nos estacionamentos das duas atrações onde é cobrado e alguns outros descontos adicionais nas fotografias e souvenirs. Se você pretende visitar os três locais, vale muito a pena, pois só os ingressos dos três lugares já supera os R$95. Acabamos descobrindo esse passaporte somente lá, e portanto não adquirimos.
  • Opções de restaurantes não faltam em Foz, mas perto do nosso hotel elas eram bem escassas.
  • O Shopping Catuai Palladium não cobra estacionamento. Algo extremamente raro nos dias de hoje.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>