Colônia Witmarsum – Palmeira (PR)

Olá pessoal,

No último domingo pernoitamos em Curitiba e na segunda pela manhã resolvemos dar uma volta na pitoresca Colônia Witmarsum, localizado na cidade de Palmeira, distante cerca de 65 quilômetros do centro da capital paranaense.

O caminho até a Colônia já é um destaque a parte, principalmente quando estiver próximo da chegada: grandes árvores dos dois lados das pistas tornam o trajeto na rodovia um espetáculo a parte:

DSC09726 DSC09730 DSC09732 DSC09733 DSC09735 DSC09736

Estima-se que a Colônia possua cerca de 2 mil habitantes, a grande maioria em atividades relacionadas a agricultura ou então ao turismo (restaurante, lojas ou hotéis/pousadas). A Cooperativa de lá, principal responsável pela produção de leite e queijo, é constituída de 332 associados e 155 funcionários, e faturou mais de R$100 milhões em 2016.

A colônia surgiu na década de 1950, quando seus fundadores menonitas migraram da cidade catarinense também chama Witmarsum. Os menonitas são um grupo de denominações cristãs que descende diretamente do movimento anabatista que surgiu na Europa no século XVI. O nome deriva do teólogo frísio Menno Simmons, que articulou e formalizou os ensinos dos anabatistas suíços.

A maior igreja da Colônia fica na avenida principal, e tem bonitos canteiros recheados de flores que embelezam ainda mais o local:

DSC09775 DSC09776 DSC09778

A Colônia tem fortíssima influência germânica, e o alemão é falado praticamente por todos os habitantes de lá. A influência se vê também nas casas de lá, como vocês podem notar nas fotos que tiramos por lá. Embora grande parte das casas mais bonitas com jardins extremamente bem cuidados fiquem na avenida principal, é possível encontrar outras também muito bem conservadas nas ruas laterais.

DSC09779 DSC09780 DSC09781 DSC09788 DSC09789 DSC09840 DSC09841 DSC09842 DSC09843 DSC09847 DSC09861 DSC09862 DSC09863 DSC09865 DSC09866 DSC09867 DSC09868 DSC09869 DSC09870 DSC09872

Na área central de lá se encontra o único banco de lá (Sicredi), um supermercado (sem bandeira nenhuma) e um pequeno local de informações turísticas onde pode-se comprar também iguarias produzidas por lá, com destaque para os queijos, o leite (somente integral) e a cerveja artesanal (que começou a ser produzida somente em 2017).

DSC09739 DSC09740

Ao lado do ponto de informações turísticas fica o Museu, que abre somente em feriados e finais de semana (portanto não pegamos ele aberto). E logo ao lado há um grande gramado ideal para cansar um pouco as crianças.

DSC09743 DSC09745 DSC09749 DSC09751 DSC09753 DSC09761 DSC09773

Para almoçar, existem três opções por lá: o Bauernhaus, o Bela Vista e o Frutilhas Lowen. Este último é o único que abre diariamente, portanto acabou sendo nossa opção. O Baernhaus funciona no esquema de buffet livre com mais de 30 itens e cobra R$45 por pessoa, porém sucos e sobremesas estão inclusas. Já o Bela Vista trabalha somente com pratos a la carte, e o preço varia de R$80 a R$100.

O restaurante Frutilhas Lowen serve pratos a la carte, mas a opção mais escolhida é de um pequeno rodízio, que além de uma variada salada contempla os seguintes pratos que vem individualmente em cada mesa: frango caipira, risoto de frango caipira, pastéis cozidos recheados com ricota, bife a rolê, spätzle (espécie de macarrão originária da Alemanha) acompanhado de molho branco e arroz branco. O preço era R$38 por pessoa e você pode repetir quantas vezes quiser os pratos, mas nós sequer conseguimos dar conta da primeira remessa. Para beber fomos da cerveja artesanal da colônia (R$15 a garrafa de 600ml) e um suco mix de frutas (R$17 a jarra). A comida é bem caseira e bastante apetitosa, definitivamente recomendamos!

DSC09807 DSC09809 DSC09810 DSC09811 DSC09812 DSC09813 DSC09815

O Frutilhas Lowen é também muito recomendado para quem for com crianças, pois há diversos entretenimentos para os pequenos. Há uma área com balanços, um simpático trem de madeira e também é possível dar uma olhada nos animais que habitam ali próximo: vacas, cavalos, patos e ovelhas.

DSC09798 DSC09799 DSC09800 DSC09802 DSC09803 DSC09804 DSC09806

DSC09816 DSC09823 DSC09826 DSC09828

O restaurante também é especializado na produção de frutas vermelhas e verduras orgânicas, e é possível comprar estes itens para levar para casa (caso esteja na época). É possível também fazer um “colhe e pague” de morangos por R$15 o quilo, mas como não era época não tivemos esta oportunidade.

Há também na Colônia alguns pequenos comércios que comercializam em geral as especiarias fabricadas por lá. Na foto abaixo um deles:

DSC09786

Para a tarde há a opção de café colonial. As três opções são a Confeitaria Kliewer, Sabores da Colônia e Edit’s Kaffe Hof, mas nenhum deles abre na segunda (a Kliewer abre a partir de terça e os demais somente final de semana). Como já estávamos satisfeitos do almoço e com mais de 200 quilômetros para rodar para chegar até em casa, de qualquer forma não iríamos ficar para o café.

DSC09839

Existe também a opção de passeios a cavalo e passeios a trator, mas todos funcionam somente no final de semana. Segundo o blog Matraqueando, a cavalgada custa R$25 por pessoa e o passeio de trator, que termina num rio onde é possível tomar banho, também sai pelos mesmos R$25.

HOSPEDAGEM

Caso queira aproveitar e ficar uma ou mais noites por lá, são três opções de hospedagem, todas muito bem explanadas no blog Matraqueando, sugerimos a leitura lá, visto que não temos como avaliar nenhum deles.

RESUMO

Na nossa opinião é possível passear por lá e fazer tudo que a Colônia oferece num único dia, porém dependendo de onde você vier, a viagem de bate e volta pode se tornar cansativa e o ideal seria então pelo menos pagar por uma noite de hospedagem por lá. Chegamos por lá em torno das 10h30 e saímos próximo das 15h.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>