Cape Town (África do Sul) – Onde o turismo da África do Sul pulsa

Olá pessoal,

Dando continuidade ao nosso resumão das cidades que visitamos na África do Sul, chegamos a mais famosa e turística cidade sul-africana: a fantástica litorânea Cape Town. Segunda cidade africana mais populosa, com cerca de 430 mil habitantes (considerando toda a região metropolitana são mais de 4 milhões de pessoas), é também a capital legislativa do país.

Nossa estadia em Cape Town durou 4 noites, ou seja, tivemos 3 dias completos para visitar os principais pontos turísticos, alguns muito perto de onde ficamos hospedados e outros um pouco mais longe. Iremos detalhar aqui dia a dia do nosso roteiro por lá, que foi bastante corrido.

DIA 1 – RECONHECENDO O TERRENO

Chegamos na cidade no meio da tarde, em torno das 16h, depois de viajar quase 500 quilômetros, pois estávamos vindo de Beaufort West. Ficamos um tempo no nosso apartamento e depois do sol se pôr resolvemos dar uma volta no V&A Waterfront, certamente um dos principais pontos turísticos da cidade e a cerca de apenas 1 quilômetro de nossa hospedagem. Visitado por mais de 23 milhões de turistas anualmente, a área é localizada próximo ao porto mais antigo da cidade, e nada mais é do que um super complexo com muitas lojas, restaurantes, prédios residenciais e comercias, além de diversas outras atrações, como por exemplo a roda gigante e o aquário de Cape Town.

É dessa área também que sai o barco que faz o passeio a desativada prisão da Robben Island, que falaremos nas atividades do próximo dia. Como estávamos cansados da viagem, nossa volta se resumiu a uma pequena caminhada e também a uma ida ao mercado (há um enorme mercado por lá).

v&a waterfront noite roda gigante v&a waterfront noite visao geral 2 v&a waterfront noite visao geral

DIA 2 – ROBBEN ISLAND, V&A WATERFRONT, AQUÁRIO E CAPE WHEEL

No nosso segundo dia em Cape Town, marcamos para o primeiro horário (compramos os tickets pelo site oficial. Valor: 550 rands (~R$170) para adultos e 300 rands (~R$100) para menores de 18 anos) o passeio a ilha de Robben Island, que abriga uma prisão desativada onde Nelson Mandela e outros líderes políticos e científicos passaram um tempo presos durante a época do Apartheid. Havíamos lido em outros blogs essa dica de marcar o passeio para o primeiro horário (horários disponíveis: 09h, 11h, 13h e 15h), pois desta forma você consegue aproveitar melhor o resto do dia.

Chegando próximo a área de saída, estava garoando e por muito pouco não desistimos, principalmente por conta do nosso filho, que poderia adoecer devido a combinação de chuva com vento. Ah, não custa lembrar que dependendo da situação, principalmente por conta de ventos fortes, a própria empresa responsável pelo passeio acaba cancelando o mesmo, devolvendo o dinheiro caso aconteça.

Tomamos coragem e resolvemos seguir viagem, embarcando no barco (que é coberto) em direção a ilha. O barco é bem grande, uma espécie de ferry boat, e o trajeto entre Cape Town e a ilha dura cerca de 40 minutos.

barco robben island

Chegando lá, somos direcionados a um ônibus, onde você encontrará também o guia do passeio.

ônibus robben island

Um ponto interessante é que a maioria dos guias de lá são ex-prisioneiros, o que torna o passeio ainda mais interessante.

guia ex prisioneiro robben island 2 guia ex prisioneiro robben island

O passeio na ilha é basicamente dividido em duas etapas: uma é feita de ônibus passando pelos principais pontos da prisão (alguns são bem afastados, como por exemplo uma mesquita), e outro é o tour por dentro da prisão, onde você passará por diversos cômodos de lá, incluindo é claro o mais famoso de todos: a cela onde Nelson Mandela viu o sol nascer quadrado algumas centenas de dias.

O guia busca explicar no mínimo detalhe cada situação (afinal, ele esteve lá), o que dá ainda mais realidade a todo o passeio. Só a parte guiada dura cerca de 40 minutos. Em algumas salas há algumas fotos da época de funcionamento da prisão com explicações extensas sobre cada uma delas. Em outras, manuscritos e objetos originais de lá.

robben island 2 robben island 3 robben island 4 robben island 5 robben island 6 robben island 7 robben island 8 robben island 9 robben island 10 robben island 11 robben island 12 robben island 13 robben island 14 robben island 15 robben island 16 robben island 17 robben island 18

O final do tour de ônibus é numa cafeteira para quem quiser comer ou beber alguma coisa. Próximo a este ponto você poderá também avistar diversos pinguins. Aliás, o simpático bichinho aparece também com bastante frequência nos pontos onde o ônibus passa.

pinguins robben island 2 pinguins robben island

Já passando do meio-dia, nos encaminhamos a área de embarque para retornar a Cape Town. Há por ali também uma loja que vende alguns souvenirs e lembrancinhas da ilha, mas nada muito espetacular.

Desembarcamos em Cape Town já próximo das 13h, e como o Bernardo dormiu no caminho da volta, resolvemos parar para almoçar e dar uma volta pelos enormes calçadões do V&A Waterfront. Um passeio muito agradável, onde você poderá passar por prédios históricos muito bem conservados, a onipresente Cape Wheel (roda gigante), um xadrez gigante, o famoso quadro onde você poderá tirar uma foto com a Table Mountain de fundo, as enormes e lindas esculturas da African Trading Port e muito mais!

v&a waterfront 2 v&a waterfront 3 v&a waterfront 4 v&a waterfront 5 v&a waterfront 6 v&a waterfront 7 v&a waterfront 8 v&a waterfront 9 v&a waterfront 10 v&a waterfront 11 v&a waterfront 12 v&a waterfront 13 v&a waterfront 14 v&a waterfront 15 v&a waterfront 16 v&a waterfront 17 v&a waterfront 18 v&a waterfront 19 v&a waterfront 20 v&a waterfront 21 v&a waterfront 22 v&a waterfront 23 v&a waterfront 24 v&a waterfront 25 v&a waterfront 26 v&a waterfront 27

Se prepare também para se deparar com inúmeras apresentações artísticas locais, seja um grupo de garotos cantando e tocando instrumentos ou danças que empolgam a qualquer um. Não há nenhuma cobrança por isso, você pode contribuir espontaneamente de acordo com o que achar justo.

apresentacao v&a waterfront 2 apresentacao v&a waterfront 3 apresentacao v&a waterfront 4 apresentacao v&a waterfront 5 apresentacao v&a waterfront 6 apresentacao v&a waterfront 7

Na época que fomos também havia uma exibição de rinocerontes pintados das mais variadas cores, e que estavam espalhados por diversos pontos da cidade.

hipopotamo v&a waterfront 2 hipopotamo v&a waterfront 3 hipopotamo v&a waterfront 4

Já lá pelo meio da tarde, nos dirigimos ao Two Oceans Aquarium, o aquário artificial de Cape Town. A entrada custa cerca de R$60 para adultos, crianças até 4 anos não pagam. O passeio é muito bem direcionado, você vai saindo de um ambiente e entra em outro e em nenhum momento você tem a impressão de estar fazendo o caminho errado. No início há alguns aquários, sendo que o mais disputado pelas crianças é onde estão os peixes palhaços, pois é possível “entrar” numa espécie de cúpula e aparecer para uma foto divertida ao lado dos peixes.

aquario cape town 2 aquario cape town 3 aquario cape town 4 aquario cape town 5 aquario cape town 6 aquario cape town 7 aquario cape town 8 aquario cape town 9 aquario cape town 10

Na próxima seção você passará por arraias, estrelas do mar, águas vivas e outros seres.

aquario cape town 11 aquario cape town 12

Em seguida, vem certamente o principal atrativo do aquário: a área onde você passa num corredor cercado pelos lados e por cima de enormes peixes e é claro, tubarões.

aquario cape town 13 arraias aquario cape town 14 aquario cape town 15 aquario cape town 23 aquario cape town 24 tubarao aquario cape town 25

Certamente a área onde a criançada vai a loucura é onde estão os pinguins, em ambientes planejados exclusivamente para eles.

aquario cape town 17 pinguins aquario cape town 18 pinguins aquario cape town 19 pinguins aquario cape town 20 pinguins aquario cape town 21 pinguins aquario cape town 22 pinguins

No final do passeio há uma enorme loja de souvenirs e lembrancinhas, mas os preços eram um pouco salgados demais.

Entre o aquário e nossa próxima atração, a Cape Wheel, passamos por uma interessante área denominada Water Shed, onde diversos artesões e artistas locais divulgam e vendem sua obra.

watershed cape town

Finalizamos nosso dia corrido indo na Cape Wheel, a roda gigante de Cape Town. O ingresso é um pouco salgado (155 rands, mais de R$50 por adulto. Gratuito para crianças até 4 anos). O passeio dura cerca de 15 a 20 minutos e dá uma bela visão de toda a área portuária de Cape Town. Em cada cabine geralmente vão de 4 a 5 pessoas.

roda gigante 2 roda gigante 3 roda gigante 4 roda gigante 5 roda gigante 6 roda gigante 7

DIA 3: BO-KAAP, CAPE TOWN STADIUM E PRAIA

No nosso terceiro dia em Cape Town fomos de manhã até outro ponto turístico bastante famoso por lá: as coloridas casas de Bo-Kaap. No trajeto até lá aproveitamos para tirar algumas fotos durante o passeio:

caminho para bo kaap 2 caminho para bo kaap 3 caminho para bo kaap 4 caminho para bo kaap 5 caminho para bo kaap 6 caminho para bo kaap 7

Nesta região da cidade é comum pedintes virem até você pedindo comida ou simplesmente dinheiro, inclusive um deles acabou nos “seguindo” por um bom tempo. É um pouco chato, mas é bom que você já saiba deste pequeno inconveniente que você poderá passar. Não custa lembrar que quase 30% dos sul-africanos estão desempregados.

A principal rua do bairro, Chiappini Street, é onde está a maior concentração das casas coloridas. O bairro inicialmente abrigou escravos malaios, posteriormente escravos da Índia e por último imigrantes muçulmanos. Uma incrível miscigenação muito comum na África do Sul como um todo. A rua é uma grande ladeira, portanto vá preparado e leve bastante água, pois irá precisar.

Há um pequeno museu por lá também, porém não entramos. O passeio em si dura de 30 a 45 minutos. Há opções guiadas que explicam detalhadamente o bairro e até algumas casas, mas optamos por faze-lo por conta própria mesmo.

bo kaap 2 bo kaap 3 bo kaap 4 bo kaap 5 bo kaap 6 bo kaap 7

Bem próximo dali, na Green Market Square, acontece uma uma enorme feira local com muito artesanato e venda de souvenirs e lembrancinhas, mas os preços não são tão atrativos. Não custa lembrar também que você perderá um pouco de tempo negociando com os vendedores, que colocam o preço inicial lá em cima e chegam a dar descontos de até 50% depois de muita conversa.

feira proximo bo kaap 2 feira proximo bo kaap 3

Uma excelente dica para você comprar itens locais com preços muito bons é ir até o African Craft Wholesale Market, que também fica ali perto. Esse mercado é num prédio e apesar de parecer uma loja só, não é. Cada vendedor tem seu “canto” e você será abordado por todos insistentemente. A dica valiosa é: vá direto ao moçambicano Martins, que fica num dos cantos do local e possui disparadamente o melhor preço (e nem precisa negociar para isso), além de falar português. Acabamos comprando um ou dois itens antes de chegar nele e depois nos arrependemos, pois realmente o preço lá é muito melhor do que os demais.

mapa bo kaap e arredores

Mapa mostrando Bo Kaap, a Green Market Square e o African Craft Wholesale Market

No caminho para nosso apartamento também demos uma parada no imponente prédio da prefeitura (ou simplesmente City Hall), localizado em em frente a uma grande praça. Por conta da quantidade grande de pedintes por ali, apenas paramos para tirar algumas fotos e seguimos viagem.

city hall cape town 2 city hall cape town 3 mandella city hall praça em frente city hall cape town

Próximo dali também está localizado o prédio que tem em sua pintura a bandeira da África do Sul estampada:

bandeira africa cape town 2 bandeira africa cape town

No resto do caminho conseguimos registrar mais alguns prédios e igrejas bonitas que encontramos no caminho:

cape town igreja cape town 2 igreja cape town predios cape town 2 predios cape town 3 predios cape town

Após o almoço, aproveitamos para conhecer o monumental estádio de Cape Town, o Green Point Stadium, num jogo da primeira divisão africana, entre o local Cape Town City e o visitante Golden Arrows. Como estávamos hospedados praticamente ao lado dele, fizemos o trajeto a pé mesmo, que não levou nem 10 minutos. A arquitetura do estádio impressiona, porém a presença de público é decepcionante. Por conta disso eles abrem apenas um lado das arquibancadas, e somente a parte inferior. Para um estádio com capacidade de 55.000 pessoas, o total para o jogo que fomos bateu apenas 4.000.

O que impressiona bastante é o baixíssimo valor do ingresso (para este jogo eram 20 rands, ou apenas R$7). Lá dentro o valor da cerveja (sim, o álcool é liberado) era praticamente o mesmo preço do ingresso. A animação dos sul-africanos dentro do estádio é contagiante, sobretudo das torcidas “organizadas”, que só lembram as brasileiras na questão animação, pois não há nenhuma divisão de torcidas ou brigas. Descobrimos isso durante o jogo, pois os gritos de apoio mudavam de acordo com quem estava com a bola. É claro que as famosas vuvuzelas estavam presentes, entoando aquele som irritante que pudemos acompanhar durante as transmissões dos jogos da Copa de 2010.

O nível técnico do jogo é bem fraco, comparado a jogos de terceira ou quarta divisão do futebol brasileiro. Mas com certeza a experiência é válida, sobretudo para os apaixonados por futebol.

cape town stadium 2 cape town stadium 3 cape town stadium 4 cape town stadium 5 cape town stadium 6 cape town stadium 7 cape town stadium 8 cape town stadium 9 cape town stadium 10 cape town stadium entorno jogadores cape town city torcedor africano

Terminamos nosso terceiro dia em Cape Town indo até a belíssima praia de Camps Bay para presenciar um pôr do sol inesquecível. O trajeto de pouco menos de nove quilômetros entre a região onde estávamos hospedados e a praia já é um espetáculo a parte.

caminho camps bay beach 2 caminho camps bay beach 3 caminho camps bay beach 4 caminho camps bay beach 5 caminho camps bay beach 6

A praia em si tem uma grande faixa de areia e algumas particularidades, como você poder visualizar do lado contrário ao mar algumas montanhas pertencentes ao parque onde está também a Table Mountain, o que torna a vista espetacular. Na beira da praia há diversos bares bem animados com um DJ tocando, sendo um point para os mais jovens e solteiros. Há também no calçadão duas cadeiras enormes que se parecem com verdadeiros tronos.

camps bay beach 2 camps bay beach 3 camps bay beach 4 camps bay beach 5 camps bay beach 6 camps bay beach 7 camps bay beach 8 camps bay beach 9 camps bay beach 10 camps bay beach 11 camps bay beach 12 camps bay beach 13 camps bay beach 14 camps bay beach 15 camps bay beach 16 camps bay beach 17 camps bay beach 18

O ponto alto da visita, é claro, é o pôr do sol que acontece no mar. Não precisamos falar mais nada, fiquem apenas com as imagens que fizemos por lá.

camps bay beach por do sol 2 camps bay beach por do sol 3 camps bay beach por do sol 4 camps bay beach por do sol 5 camps bay beach por do sol 6 camps bay beach por do sol 7 camps bay beach por do sol 8 camps bay beach por do sol 9

DIA 4: TABLE MOUNTAIN, BOULDERS BEACH E CABO DA BOA ESPERANÇA

Nosso último dia em Cape Town também foi bastante corrido. Iniciamos o dia tentando chegar no horário mais cedo possível na Table Mountain, que abre as 08h, pois ainda teríamos uma pequena viagem para fazer até a Boulders Beach e ao Cabo da Boa Esperança.

Chegamos na Table Mountain em torno das 08h30, e já havia uma enorme quantidade de pessoas por lá. O carro é estacionado na acostamento da rodovia que sobe até a base dos teleféricos, e é cuidado por guardadores locais. Compramos os ingressos de ida e volta na bilheteria por 360 rands (cerca de R$120), porém há outras opções: você pode pagar somente 200 rands e subir ou descer a pé a montanha. Ou então não pagar nada e fazer a trilha tanto na ida quanto na volta.

São apenas dois teleféricos que operam por lá, cada um comportando cerca de 65 pessoas. O trajeto leva cerca de 5 minutos. Mesmo chegando cedo, ficamos mais de uma hora na fila para pegar o teleférico. A boa notícia é que boa parte da espera é em áreas cobertas, que protegem bem do sol.

table mountain telefericos 2 table mountain telefericos 3

Não se preocupe em pegar um lugar bom dentro do teleférico, pois ele gira em 360 graus durante a subida, portanto você terá uma visão completa independente de onde estiver localizado.

subida table mountain 2 subida table mountain 3 subida table mountain

Chegando no topo da montanha, você mesmo faz a sua trilha, nenhuma delas tem um grau de dificuldade muito grande, visto que como o próprio nome diz, a montanha tem o formato de “mesa” (table). De todos os cantos da montanha você terá incríveis visuais da cidade de Cape Town. Demos muita sorte pois o céu estava praticamente sem nuvens, tornando as visões muito mais limpas e sensacionais.

table mountain vista 2 table mountain vista 3 table mountain vista 4 table mountain vista 5 table mountain vista 6 table mountain vista 7 table mountain vista 8 table mountain vista 9 table mountain vista 10 table mountain vista 11 table mountain vista 12 table mountain vista 13

Lá no topo da montanha há uma pequena loja que vende souvenirs e lembranças, além de outro espaço (razoavelmente grande) que vende comidas e bebidas, sobretudo lanches e doces. Nossa estadia no topo da montanha ficou em torno de duas horas, ou seja, saímos de lá em torno do meio dia. Voltando ao carro tivemos um pequeno imprevisto já detalhado no post sobre o trânsito da África: deixamos a luz do carro ligada e a bateria estava descarregada.

Resolvido o problema da bateria, seguimos viagem até a Boulders Beach, a famosa praia dos pinguins. O trajeto de quase 50 quilômetros entre a Table Mountain e a praia leva cerca de uma hora e assim como toda viagem de carro que fizemos na África, as estradas são um show a parte.

estrada caminho boulders beach 2 estrada caminho boulders beach 3 estrada caminho boulders beach 4 estrada caminho boulders beach 5 estrada caminho boulders beach 6

Você estaciona o carro a alguns metros da entrada da praia, e no caminho passa por alguns vendedores ambulantes que comercializam, sobretudo, itens como esculturas, chaveiros e pelúcias de pinguins, é claro. A entrada para a praia é paga e o valor é salgado: 152 rands por adulto (cerca de R$50). O caminho é curto e é todo feito sobre uma plataforma de madeira, onde você visualizará os simpáticos bichinhos dos dois lados. O ponto alto do passeio é no final dessa passarela, que termina numa pequena praia repleta de pinguins. A criançada, é claro, adora o passeio.

boulders beach 3 boulders beach 4

boulders beach 2 boulders beach 5 boulders beach 6 boulders beach 7 boulders beach 8 boulders beach 9 boulders beach 10 boulders beach 11 boulders beach 12 boulders beach 13 boulders beach 14 boulders beach 15

Da Boulders Beach partimos em direção ao nosso último destino do dia: o famosíssimo Cabo da Boa Esperança, que fica a apenas meia hora da praia dos pinguins. Só para não perder o costume, o trajeto nos brindou com belíssimas imagens das estradas africanas:

estrada boulders beach cabo boa esperança 2 estrada boulders beach cabo boa esperança 3 estrada boulders beach cabo boa esperança 4 estrada boulders beach cabo boa esperança 5 estrada boulders beach cabo boa esperança 6 estrada boulders beach cabo boa esperança

O Cabo da Boa Esperança, foi descoberto em 1488 por Bartolomeu Dias. Como o cabo foi avistado depois de seguidos dias de tempestades no mar, acabou sendo denominado como Cabo das Tormentas na época. Ao contrário do que muita gente pensa, o cabo não é o extremo meridional do continente africano: este posto pertence ao Cabo das Agulhas (que visitamos um dia depois).

A entrada para o Cabo, que pertence a uma reserva natural, custa 320 rands por adulto (pouco mais de R$100) e 160 rands (pouco mais de R$50) para crianças de 2 a 11 anos. A moça da guarita estava de bom humor e acabou cobrando somente a entrada dos adultos, não sendo necessário pagar a do Bernardo.

Dentro da reserva natural existem alguns pontos principais para visitação, iniciamos o trajeto pelo Cape Point Lighthouse, que nada mais é do que um farol que fica num pequeno morro. É nesse ponto também que há uma pequena loja de souvernis e lembrancinhas, e também uma lanchonete. Para chegar até o farol você pode subir uma escadaria enorme ou então pegar uma espécie de bondinho (pago a parte). Como estávamos meio apressados com o tempo (a reserva tem horário de fechamento), acabamos só parando para tirar algumas fotos. É nesse ponto também que você deverá tomar cuidado com a grande quantidade de macacos que desfilam no meio da rua e sobem nos tetos dos carros sem nenhuma cerimônia.

macacos cabo boa esperança 2 macacos cabo boa esperança 3 macacos cabo boa esperança 4 macacos cabo boa esperança 5

cape point 2 cape point 3 cape point 4 cape point 5 cape point 6

Certamente o ponto mais visitado da reserva é o extremo onde está localizada a plaquinha do Cape of Good Hope. Lá também há um pequeno morro que é possível subir a pé (não chega a dar 15 minutos de subida) e tirar belas fotos das paisagens.

cabo da boa esperança 2 cabo da boa esperança 3 cabo da boa esperança 4 cabo da boa esperança 5 cabo da boa esperança 6 cabo da boa esperança 7 cabo da boa esperança 8 cabo da boa esperança 9 cabo da boa esperança 10 cabo da boa esperança 11 cabo da boa esperança 12

CONCLUSÃO

E com essas fotos finalizamos nosso relato sobre a apaixonante Cape Town. Mesmo ficando por três dias completos na cidade, ficou aquele gostinho de “quero mais”. A cidade te cativa de um jeito que é difícil esquecer dela. Fomos embora no outro dia de manhã com a sensação de dever cumprido por ter conhecido um pouco desse maravilhoso pedaço do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *