Muizenberg, Cape Agulhas e Mossel Bay (África do Sul)

Olá pessoal,

Dando continuidade aos posts sobre nossa viagem a África do Sul, hoje falaremos um pouco mais de Muizenberg, Cape Agulhas e Mossel Bay. Saímos de Cape Town tendo como destino a cidade de Mossel Bay, distante cerca de 400 quilômetros (5 horas). Como não era necessário fazer muitos desvios para visitar Muizenberg e Cape Agulhas, resolvemos visitar estes dois locais durante o trajeto.

A primeira parada foi em Muizenberg, que pertence ainda a Cape Town e fica a apenas meia hora do V&A Waterfront. O grande ponto turístico do local são as pequenas casas coloridas que ficam na praia principal de lá, que nada mais são do que locais para que os surfistas possam trocar de roupa antes e depois de entrarem no mar. Como há muito vento por lá, a prática de kitesurf é bastante difundida e praticada. Como ventava demais, nossa parada foi apenas para tirar algumas fotos e seguir viagem.

Saímos de Muizenberg em direção a região de Hermanus (distante 1h30min). No meio do caminho estávamos passando próximo a região da praia de Monwabisi, quando avistamos uma quantidade pouco comum de carros policiais na beira da estrada. No dia anterior, uma amiga nossa havia nos avisado que o casal da realeza Príncipe Harry e Princesa Meghan estavam em Cape Town, mas nem demos muito bola.

Foi então que aconteceu provavelmente o encontro mais improvável de todas nossas viagens: encontramos o casal real num encontro com surfistas locais, pertencentes a uma ONG denominada Waves for Change (W4C), fundada em 2009 e que busca manter jovens de baixa renda numa atividade para mante-los longe de mundos mais obscuros.

Depois do encontro totalmente casual, voltamos a estrada para chegar até Hermanus, região conhecida por receber baleias em alguns meses do ano, incluindo setembro. Infelizmente não demos sorte e nos restou tirar apenas algumas fotos da paisagem em uma das paradas. Falamos com um local que estava por ali, e ele nos disse que na semana anterior haviam muitas baleias por lá, e que realmente havíamos dado azar.

Nossa última parada antes de chegar a Mossel Bay foi em Cape Agulhas, o ponto da África do Sul onde está a divisão entre o Oceano Atlântico e o Oceano Índico, e também o ponto mais ao sul do continente africano. Recebeu este nome porque, sendo ali nula a declinação magnética, a agulha da bússola orientava-se segundo a linha norte-sul geográficos.

Antes de chegar ao principal ponto do cabo, que é onde há uma pequena plataforma indicando a divisão dos oceanos, você passa por um pequeno farol. A entrada ao local é totalmente gratuita e há um pequeno local para estacionar o seu carro, também sem nenhuma cobrança.

Como chegamos em Mossel Bay com o dia já anoitecendo, apenas paramos num mercado para comprar algo para a janta e fomos para nossa hospedagem.

No dia seguinte iniciamos a manhã visitando o Museu Bartolomeu Dias. A entrada é baratinha (20 rands, ou cerca de R$7), e o local possui dois prédios. Num deles está um pequeno aquário com alguns outros itens como mapas antigos, conchas e objetos diversos. Neste aquário há uma seção ideal para crianças, onde elas podem interagir com alguns seres vivos do mar, como estrelas do mar.

No outro prédio, além de uma pequena loja e alguns outros itens antigos, fica uma réplica de uma das caravelas utilizada por Bartolomeu Dias, antes do ano 1500. Para ter acesso a caravela paga-se uma taxa adicional de 20 rands.

Outro ponto interessante do local é a Post Office Tree, uma árvore utilizada pelos navegadores portugueses como uma espécie de Correios, nos tempos de descobrimento de terras.

O museu tem também uma área aberta com um super gramado e algumas mesas disponíveis para você fazer um piquenique.

Almoçamos num restaurante ali perto e partimos para o Cape St Blaize Lighthouse Complex, uma região onde há como principais pontos turísticos uma pequena caverna e um pequeno farol (aberto somente das 10h às 15h e cobrada uma taxa para visitação).

A trilha que leva até o farol reserva paisagens lindíssimas e é de fácil acesso. Não dá nem 10 minutos. Como já passava das 15h, o farol já encontrava-se fechado. Tome cuidado também os daussies, pequenos mamíferos que estão sempre famintos em busca de comida.

Em Mossel Bay há algumas praias, a principal delas é a Santos Beach, mas nenhuma delas tem uma beleza fora do normal, e por este motivo não fomos em nenhuma delas. No final da tarde demos mais uma volta pelo centro da cidade e tiramos algumas fotos dos prédios e igrejas mais bonitas da cidade.

O que nos deixou impressionado novamente foi como estas cidades menos movimentadas da África se “recolhem” cedo. Não era nem 19h e já havia pouquíssima pessoas na rua. No dia que chegamos, inclusive, só achamos um mercado aberto, e não era nem 20h ainda.

Gostamos bastante da cidade de Mossel Bay, apesar de pequena nos acolheu muito bem. Não custa também dar uma olhada na nossa hospedagem, descrita mais detalhadamente neste post aqui.

Para finalizar o post, não custa nada colocar mais algumas fotos das estradas africanas, estas no caminho entre Cape Town e Mossel Bay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *